quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Cazuza

A História de Cazuza

Vida Pessoal

Agenor de Miranda Araújo Neto, apelido Cazuza.
Nasceu em 4 de abril de 1958, no Rio de Janeiro. Cazuza cresceu no Bairro do Leblon.
Por volta de 1965, ele começou a escrever letras e poemas. Graças ao ambiente profissional do pai (João Araújo, Produtor Fonográfico), Cazuza cresceu em volta de alguns dos maiores nomes da Música Popular Brasileira, como Caetano Veloso, Elis Regina, Gal Costa, Gilberto Gil, entre outros. A mãe, Lucinha Araújo também cantava e gravou três discos.
Cazuza era fã de Janis Joplin, Led Zeppelin e Rolling Stones.
Em 1976 João Araújo criou um emprego para seu filho na gravadora Som Livre onde era presidente, Cazuza atuou no departamento artístico e logo após na assessoria de imprensa.


Carreira

Em 1980 ele retornou ao Rio de Janeiro, onde ingressou no grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombane no Circo Voador. Foi nessa época cantou em público pela primeira vez.
O canto e compositor Léo Jaime, foi convidado para fazer parte de uma nova banda de rock de garagem, não aceitou, mas indicou Cazuza aos vocais. em um ensaio na casa do tecladista Maurício Barros, nasceu o Barão Vermelho.




Com uma produção barata e gravado em dois dias, o primeiro álbum da banda foi lançado em 1982, com o nome Barão Vermelho.
Cazuza na época tinha 23 anos, mas uma grande maturidade poética.
Apesar de ser elogiado pela crítica, o disco vendeu apenas 7 mil cópias.
Depois de alguns shows no Rio de Janeiro e em São Paulo, com uma melhor produção foi gravado o disco Barão Vermelho 2, lançado em 1993. Esse vendeu 15 mil cópias. O rótulo de "banda maldita" só abandonou o Barão quando o cantor Ney Matogrosso gravou "Pro dia nascer Feliz". Era o empurrão que faltava, e a banda ganhou vida pública própria.
A banda foi convidada para compor e gravar o tema do filme Bete Balanço. Como resultado "Bete Balanço" acabou se tornando um dos grandes clássicos do Barão Vermelho, fazendo com que o filme vira-se sucesso de bilheteria. A canção também ajudou nas vendas do terceiro disco do Barão, Maior Abandonado, lançado em outubro de 1984, que conquistou disco de ouro.
Em 15 e 20 de janeiro de 1985, o Barão Vermelho apresentou0se na primeira edição do Rock in Rio (a maior e mais importante festival da América do Sul).
Em julho de 1985, durante os ensaios do quarto álbum, Cazuza deixa o Barão Vermelho para seguir carreira solo.


Carreira Solo

Em agosto de 1985, Cazuza é internado para se tratar de uma pneumonia. Cazuza exigiu fazer um teste de HIV, do qual o resultado foi negativo. Em novembro de 1985 foi lançado o primeiro álbum solo, Exagerado. Cazuza gravou o segundo álbum, no segundo semestre de 1986. Como a Som Livre terminou o cast, Só se for a dois foi lançado em 1987.


Doença

Em 1987, Cazuza é internado novamente com pneumonia, e em novo teste revela que o cantor é portador do vírus HIV. Em outubro, é internado em uma clínica no Rio, para se tratar de uma nova pneumonia. Em seguida, ele é levado pelos pais aos Estados Unidos, onde Cazuza é submetido a um tratamento a base de AZT, durante dois meses em um Hospital de Boston. Ao voltar ao Brasil no começo de dezembro de 1987, Cazuza inicia as gravações para seu novo disco Ideologia de 1988.
Os shows tornaram mais elaborados e a turnê do disco Ideologia, dirigido por Ney Matogrosso, viajou por todo Brasil. Em 1989 é lançado O tempo não Pára, gravado do Canecão durante esta turnê, o disco superou a marca de 500 mil cópias vendidas. O tempo não Pára tornou-se um dos maiores sucessos de Cazuza.
Em fevereiro de 1989, Cazuza declara-se publicamente soropositivo.
Burguesia de 1989, foi lançado com o cantor numa cadeira de rodas e com a voz enfraquecida. Foi o último disco gravado por Cazuza e vendeu 250 mil cópias.


Morte
Em outubro de 1989, depois de quatro meses se tratamento alternativo em São Paulo, Cazuza parte para Boston, onde ficou internado até março de 1990.
No dia 7 de julho de 1990, Cazuza morre aos 32 anos por um choque séptico causado pela AIDS. No enterro compareceram mais de mil pessoas, entre parentes, amigo e fãs.


Legado



Em apenas 9 anos de carreira Cazuza deixou 126 canções, 78 inéditas e 34 para outros intérpretes.
Após a morte de Cazuza, os pais fundaram a Sociedade Viva Cazuza em 1990, que tem como intenção proporcionar uma vida melhor à crianças soropositivos, através de assistência à saúde, educação e lazer.
Cazuza sempre foi muito polêmico ficou conhecido por ser rebelde e boêmio, tendo se declarado em entrevistas bissexual e soropositivo.

Cazuza tornou-se um dos ícones da música brasileira no final do século XX. Entre as músicas de sucessos estão: EXAGERADO, CODINOME BEIJA-FLOR, IDEOLOGIA, O TEMPO NÃO PÁRA E O NOSSO AMOR AGENTE INVENTA.
Junto ao Barão Vermelho, as composições mais famosas estão: TODO AMOR QUE HOUVER NESSA VIDA, PRO DIA NASCER FELIZ,MAIOR ABANDONADO, BETE BALANÇO E BILHETINHO AZUL.
Cazuza não tinha medo de falar o que pensava, Cazuza era um rebelde , mas um rebelde com causa. Revolucionou o Rock brasileiro nos anos 80 com suas músicas onde criticava a socidade onde vivia naquela época. Suas músicas são lembradas até hoje fazendo com que apareçam novos fãs, e eu sou um desses fãs.
Cazuza viveu a vida da maneira como ele quis e foi feliz, sem se importar com os outros e com as críticas, viveu a vida da forma como muitos queriam viver com liberdade,sem medo e sem vergonha de ser o que queria ser, por isso e pelas sua belas músicas que eu sou fã dele mesmo não tendo nascido na década de 80 e ter acompanhado a era Cazuza.

5 comentários:

Anônimo disse...

[red] cazuza foi um grand cantor q deixou saudads!
Lúpe

tito disse...

Cazuza sempre estará entre nós
sua obra é imortal....
=]

tito disse...

oh eu tenho músicas ao vivo de cazuza em um show no canecão....
meu email é
jamesson555@hotmail.com

A Caminho de Deus disse...

Amei encontrar o resumo desse ídolo, que assim como você aprendeu a gostar e a admirar aaaanos depois de sua morte. Tenho 24 anos.
Bjs

Anônimo disse...

viva o cazuza :)

Postar um comentário